Darma

Darma

Mal começou a chegar no Brasil a riqueza extraordinária de métodos de liberação que alguns chamam de “budismo”. Num certo sentido, somos todos iniciantes, ainda que já tenhamos professores e professoras brasileiras (ou residentes aqui) e já seja possível localizar alguns poucos praticantes experientes, com uns 25 anos de estudo e prática, por exemplo.

Se por algum acaso você chegou nesse site com interesse no caminho budista, deixo algumas pontes. Nos últimos tempos respondi emails e tive conversas bem parecidas (“Tenho interesse no budismo, e agora?”), então reuni essas referências quase que por preguiça, para enviar um link em vez de escrever ou falar a mesma coisa de novo. ;-)

É muito curioso: no começo, parece que existe isso de “budismo”. Quanto mais nos aproximamos, porém, menos budismo encontramos. A estabilidade não é budista. A sabedoria não é budista. A compaixão não é budista. Nossa mente não é budista. A iluminação não é budista… Ainda assim, sofrer, querer se livrar do sofrimento, ter conexão com quem manifesta as qualidades que desejamos manifestar e não se aproximar por medo de “virar religioso” ou “virar budista” é tão estranho como alguém que deseja aprender neurociência, sabe que grande parte das pessoas cientistas estão em uma universidade, mas não entra com medo de “virar uspiano” ou algo do tipo.

Por onde começar?

Abaixo há uma lista de livros e vídeos, mas se quiser aprender a sentar em silêncio, se quiser observar de perto um exemplo vivo de compaixão, se quiser ouvir ensinamentos detalhados de sabedoria, não tem como fugir do contato presencial com uma professora ou um professora e com praticantes mais experientes.

Uma coisa é você ler A revolução da atenção, outra coisa é ouvir e praticar junto com lama Alan Wallace por nove dias (como nos retiros que oferece todo ano no Brasil) ou oito semanas inteiras (como nos retiros que oferece todo ano na Itália). Há um limite nessa operação distanciada de ler, assistir a vídeos e fazer meditações com áudio.

Portanto, as primeiras indicações aqui são para mestres e para praticantes. Se você só colar neles, isso é mais da metade do caminho. Foi o que demorei a fazer e é o que tento fazer, cada vez mais. Os poucos benefícios que colhi não vieram de alguma prática ou estudo que fiz isoladamente, mas da conexão presencial com lamas e praticantes.

Professoras e professores

A lista abaixo não tem nenhum tipo de ordem hierárquica, não é abrangente tampouco completa. Há tradições inteiras sem representação (como o budismo theravada e outras escolas do vajrayana). Não listei mestres que nunca encontrei presencialmente, ainda que possam ser mestres extraordinários. Funciona mais como uma conversa despretensiosa: “Ah, tem esse mestre…” Os links levam aos seus principais sites. Sugiro assinar cada newsletter e, assim que possível, participar de práticas semanais, de palestras e retiros de ensinamentos. O Brasil está cada vez mais na rota de grandes mestres, então é hora de aproveitar.

Alguns deles, como Matthieu Ricard e Thupten Jinpa, provavelmente não têm alunos ou centros próprios, mas listei como um modo de gerarmos conexão.

Praticantes e sites budistas para você acompanhar

Outra lista extremamente parcial, apenas para saber que existem e se aproximar, na medida da sua conexão e interesse. Ser um praticante significa apenas que a pessoa tomou refúgio no Buda, tem bons professores e se dispõe a praticar — não significa ter se livrado de maus hábitos ou ter alguma realização. Priorizei aqueles que tem mais exposição online (um site, vídeos, Facebook…), mas lembre que muitos praticantes experientes são silenciosos e low profile — dos que conheço, por exemplo, é o caso de Mariana Aurélio, Summer Adams, Mauriã Sabbado, Eduardo Fernandes, Stela Santin…

Alguns praticantes receberam autorização para oferecer estudos, cursos e orientações de prática, mas isso não significa que sejam gurus, lamas, roshis ou professores de Darma. Praticantes são sanga, alguns têm um pouco mais de experiência, e só. Essa é uma confusão comum, então tome cuidado.

Sobre o CEBB

O CEBB (Centro de Estudos Budistas Bodisatva) foi criado em 1986 pelo Lama Padma Samten — que em 1996 recebeu de Chagdud Tulku Rinpoche a autorização para ensinar. Com uma abordagem focada na construção de uma cultura de paz e na transformação de nossa vida cotidiana por meio de um treinamento em visão, meditação e ação no mundo, Lama Padma Samten orienta mais de 50 centros e grupos de prática em quase todos os estados brasileiros. Se tiver interesse, acesse cebb.org.br para ver a agenda do Lama Padma Samten, localizar um grupo de prática em sua cidade, assinar a newsletter, ouvir ensinamentos etc.

Livros de apoio

Boas leituras para quem se considera iniciante (o melhor jeito de aproveitar esses livros é estudá-los em grupo, contemplando linha a linha os principais pontos):

  • Portões da prática budista e Para abrir o coração | Chagdud Tulku Rinpoche
  • Meditando a vida, Joia dos desejos, Mandala do lótus e A roda da vida como caminho para a lucidez | Lama Padma Samten
  • No coração da vida: sabedoria e compaixão para o cotidiano | Jetsunma Tenzin Palmo
  • Felicidade genuína, A revolução da atenção e Budismo com atitude | Alan Wallace
  • Um coração sem medo | Thupten Jinpa
  • A alegria de viver e Alegre sabedoria | Mingyur Rinpoche
  • Buda rebelde | Dzogchen Ponlop Rinpoche
  • O que faz você ser budista | Dzongsar Jamyang Khyentse
  • Mente zen, mente de principiante | Shunryu Suzuki
  • Além de religião | Sua Santidade o Dalai Lama
  • Quando tudo se desfaz e Os lugares que nos assustam | Pema Chodron
  • Nada de especial | Charlotte Joko Beck
  • O mito da liberdade e o caminho da meditação e As quatro nobres verdades do budismo e o caminho da libertação | Chogyam Trungpa Rinpoche
  • A revolução do altruísmo e Felicidade | Matthieu Ricard

Boa parte dos livros acima você consegue adquirir nos sites da Lúcida Letra, da Makara e na loja online do CEBB.

Depois de passar por alguns deles e se aproximar de professores e de uma comunidade de praticantes, naturalmente você vai ser apresentado a sutras e livros de aprofundamento.

Para começar a meditar

Tentar aprender pela internet é algo bastante limitado, mas se é assim que você deseja começar, deixo o vídeo abaixo, que gravamos na sala do CEBB São Paulo. Assim que possível, pratique e estude semanalmente em grupo, peça orientações mais precisas, ouça ensinamentos e faça retiros com um professor ou professora qualificada.

Palestras introdutórias

Deixo dois áudios com falas bem introdutórias para download.

Breve aspiração

Que você sinta a alegria de encontrar um caminho: entender o que precisa ser feito e aplicar os métodos, incluindo ética, compreensão das quatro nobres verdades, preliminares, bodicita relativa e absoluta, refúgio, shamatha, prajna, quatro qualidades incomensuráveis, seis perfeições, guru ioga…

E que seu caminho eventualmente culmine na maior realização possível, inseparável do céu da mente dos seres completamente despertos que alguns chamam de bodisatvas, vidyadharas, budas, capazes de beneficiar os seres em todas as direções, sem esforço e por isso sem precisar de férias, para sempre.