Áudio da palestra “Compaixão como princípio organizador do viver e do morrer”

Foi uma alegria encontrar cerca de 700 pessoas interessadas ou já trabalhando com cuidados paliativos no Centro de Convenções Rebouças do HC-FMUSP, a convite da corajosa Dra Claudia Inhaia. E uma honra estar ao lado de grandes seres como Dra. Maria Helena Pereira Franco e Dra. Ana Claudia Quintana Arantes.

Aqui está o PDF da apresentação ↓ e aqui o áudio em MP3 para download ↓ (a gravação está ruim, mas dá para entender).

No lugar, fizemos um grupo de estudos do livro Um coração sem medo por 12 semanas. Tudo ficou registrado em mais de 20 horas de vídeo e diversas práticas, materiais de apoio e relatos de cerca de 300 participantes de vários estados e países.

O poder do caos

Após o espetáculo, centenas de pessoas na plateia começam a bater palmas aleatoriamente num ruído caótico. Em poucos segundos as mãos se juntam por si só em uma única pulsação bem nítida – mas não pré-definida por alguém. Tal é o milagre da auto-organização, processo que ocorre em diversos fenômenos, como na revoada de pássaros em migração (swarming) e no próprio funcionamento do corpo humano. Agora imagine alguém que não confie no caos e tente orquestrar a sincronização impondo um andamento antes do ritmo emergente: “Pessoal, batam palma igual eu, assim ó, por favor”.

O dia seguinte

Acho que um dos principais pontos da conversa com a Jout Jout (pelo que vi nos comentários) foi o trecho sobre a “pesquisa do dia seguinte” e também sobre o fato de que a vida gira, então é melhor não se matar pode surgir um email mudando tudo no dia seguinte. É só dar play que começa bem nesse trecho, sobre a importância de vermos uma saída: