Meu direcionamento atual e as inteligências com as quais tento trabalhar hoje só foram possíveis pelos ensinamentos, bondade e paciência de meu professor Lama Padma Samten, que abriu o caminho para as práticas de estabilidade, sabedoria e compaixão dos budas e bodisatvas.

Agradeço também todas as linhagens que mantém viva e disponível a possibilidade da iluminação completa. E especialmente os professores e professoras do Dharma que tive a sorte de encontrar presencialmente: Lama Alan Wallace, Mingyur Rinpoche, Jetsunma Tenzin Palmo, Tenzin Wangyal Rinpoche, Phakchok Rinpoche, Dzigar Kongtrul Rinpoche, Lama Zopa Rinpoche, Matthieu Ricard, Chögyal Namkhai Norbu, Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche, Lama Tsering, Chagdud Khadro e Sua Santidade o Dalai Lama.

Pela formação de três anos, me capacitando a oferecer intensivos de TaKeTiNa no Brasil, agradeço Reinhard Flatischler (criador do método) e Cornelia Jecklin.

Agradeço imensamente também o apoio de minha parceira Isabella Ianelli, de Jeanne Pilli, Denise Barranco, Inez Campos, Stela Santin, Marcia Baja, Henrique Lemes, Marcelo Nicolodi, Mariana Aurélio, Eduardo Pinheiro, todos os praticantes ligados ao CEBB e também de outras sangas, de Eduardo Amuri, Fábio Rodrigues, Polliana Zocche, Guilherme Valadares, Felipe Ramos, de Bruno Ribeiro, Vanessa Krauskopf, Pati Passoni, Ian Black, Jeanne Callegari, Ana Thomaz, Mary Kogen, Lu Horta, Fernando Barba, Malu Maia, Jairo Viviani, de minha irmã Claudia, de meu irmão Alexandre Junior, de meu primo Bruno, de minha tia Benê, de meus pais Alexandre e Maria José, de meus avós, das várias pessoas que se alegram com minha vida e das incontáveis outras que já me ajudaram de algum modo sem saber.

Sobre o tal do “sexo tântrico”

Sexo TântricoUm tópico na comunidade “Tantra Brasil” no Orkut:

“No sexo tantrico o homem aprende a desenvolver um prazer constante durante a relação, e não apenas no momento da ejaculação. Se o praticante está tendo prazer durante toda a relação, a ejaculação se torna desnecessária. Além disso, como é amplamente conhecido, quando o homem ejacula ele perde sua Shakti ou Energia Manifesta. Eu tenho uma questão: quando o homem ejacula na mulher, a energia desprendida no ato fica com a mulher? Eu penso que sim, mas queria ouvir outras opiniões.”

Minha resposta:

Quando ejaculamos, trazemos ao nível biológico o que estava no nível sutil (já pensou em como é possível produzir uma nova vida?), e portanto a mulher não recebe a energia original de nós, apenas o líquido mesmo. Ela também, quando tem um orgasmo (ou vários), perde sua energia.

Além disso, é preciso lembrar que Shakti é diferente de Prana. Enquanto o segundo é energia do nível biológico-emocional-corporal (o nível 2 no modelo de Ken Wilber), equivalendo ao “ki” japonês e ao “chi” chinês; o primeiro (shakti) é toda a energia da manifestação do Kosmos, todas as formas, as luzes, os objetos, etc. Nesse sentido, Shakti faz amor com Shiva (a consciência informe, o espelho, o espaço no qual Shakti surge, os olhos para os quais Shakti dança), o aspecto masculino do universo. Shakti = imanência. Shiva = transcendência. Leia mais sobre isso nos livros de Ken Wilber.

No mais, prossigamos com nossa prática espiritual nos atos sexuais também. Apenas isso.

“Sexo tântrico” é para quem pratica “tantra” e isso é algo bastante raro – destina-se apenas a praticantes avançados. De forma simples, o sexo tântrico seria a mais alta forma de prática do tantra (aplicado à energia mais forte, que mais nos desequilibra, a sexual). E a prática do tantra seria, por si só, a mais alta forma de prática espiritual (trabalhar com a sabedoria inata das energias negativas, com a sabedoria a priori da não-dualidade). Portanto, o sexo é o supra-sumo do tantra, que é o supra-sumo da espiritualidade. Deu para entender por que é impossível começar diretamente pelo sexo?

Meu conselho para os curiosos aqui [do Orkut] ou aqueles que pensam praticar o tal do “sexo tântrico” é: abandone esta terminologia e contente-se com sua prática medíocre. Nós todos precisamos ainda aprender a trabalhar com energias menos fortes, como a raiva, a preguiça, o orgulho. O sexo é para mestres.

Quer ser espiritual? Seja. Quer fazer sexo? Faça. Consegue segurar a ejaculação por 4 horas? Isso é tão difícil. Mas não venha me dizer que pratica “sexo tântrico”…

Cuidado com os De Roses que existem por aí… Prática espiritual séria é outra coisa.

3 comentários

  1. Huumm.. mas faz sentido que a energia vá pra mulher, afinal, é a energia que dará início a uma nova vida, não? Se não é só código genético… e a energia que vai pro bebê é toda da mãe.. Não?

    (caramba que post antigo!! =D)

  2. Gitti, no final está assim:

    “Isso é tão difícil. Mas não venha me dizer que pratica “sexo tântrico”…”

    Não seria “Isso não é tão difícil…”?

Comments are now closed for this article.

Arriba!