Meu direcionamento atual e as inteligências com as quais tento trabalhar hoje só foram possíveis pelos ensinamentos, bondade e paciência de meu professor Lama Padma Samten, que abriu o caminho para as práticas de estabilidade, sabedoria e compaixão dos budas e bodisatvas.

Agradeço também todas as linhagens que mantém viva e disponível a possibilidade da iluminação completa. E especialmente os professores e professoras do Dharma que tive a sorte de encontrar presencialmente: Lama Alan Wallace, Mingyur Rinpoche, Jetsunma Tenzin Palmo, Tenzin Wangyal Rinpoche, Phakchok Rinpoche, Dzigar Kongtrul Rinpoche, Lama Zopa Rinpoche, Matthieu Ricard, Chögyal Namkhai Norbu, Dzongsar Jamyang Khyentse Rinpoche, Lama Tsering, Chagdud Khadro e Sua Santidade o Dalai Lama.

Pela formação de três anos, me capacitando a oferecer intensivos de TaKeTiNa no Brasil, agradeço Reinhard Flatischler (criador do método) e Cornelia Jecklin.

Agradeço imensamente também o apoio de minha parceira Isabella Ianelli, de Jeanne Pilli, Denise Barranco, Inez Campos, Stela Santin, Marcia Baja, Henrique Lemes, Marcelo Nicolodi, Mariana Aurélio, Eduardo Pinheiro, todos os praticantes ligados ao CEBB e também de outras sangas, de Eduardo Amuri, Fábio Rodrigues, Polliana Zocche, Guilherme Valadares, Felipe Ramos, de Bruno Ribeiro, Vanessa Krauskopf, Pati Passoni, Ian Black, Jeanne Callegari, Ana Thomaz, Mary Kogen, Lu Horta, Fernando Barba, Malu Maia, Jairo Viviani, de minha irmã Claudia, de meu irmão Alexandre Junior, de meu primo Bruno, de minha tia Benê, de meus pais Alexandre e Maria José, de meus avós, das várias pessoas que se alegram com minha vida e das incontáveis outras que já me ajudaram de algum modo sem saber.

Arte no fim de semana

Ontem vi I Heart Huckabees. É o meu tipo de filme. Trilha do grande Jon Brion (produtor da Fiona Apple, fez Magnolia, Eternal Sunshine of the Spotless Mind), com Jason Schwartzman que eu adoro (fez Shopgirl, que aqui ficou “A Garota da Vitrine”) e a sempre linda Naomi Watts. “It is inevitable to be drawn back into human drama”…

Estou ouvindo o novo do Skank, Carrossel. Eu já tinha gostado do Cosmotron, então estou achando este excelente também.

“O horizonte sem fim que carrego agora sobre a pele
Ao caminhar para acompanhar um outro de mim
No meu corpo, outra vez em você”
(Samuel Rosa e Arnaldo Antunes)

O Segundo da Maria Rita também está muito bom. Eu sou fascinado pela “Caminho Das Águas” (puta melodia simples e bonita essa!).

Hoje vi Le Temps Qui Reste (O Tempo que Resta). Até hoje estava perturbado pelo 5×2 (Amor em Cinco Tempos) também do Ozon… O novo é também perturbador e tem talvez a cena mais linda que já vi sobre a morte no cinema.

Hoje também participei de um projeto pelo CEBB SP, direcionado aos jovens, que mistura Artes e Budismo. Está sendo bem interessante. Convido você (é, você!) a participar!

No mais, a vida segue superando a arte, que teima em amplificar nossas experiências ao máximo, colocando-as no último volume, fazendo poema de cada momento, apagando a luz e projetando numa telona cada detalhe de nossos mitos.

Arriba!